Governo fará ‘desmanche’ do Estado, diz Mourão

Prestes a assumir a vice-presidência do país, o general Hamilton Mourão defende que o governo de Jair Bolsonaro envie ao Congresso uma proposta de emenda constitucional para desvincular o Orçamento da União. “A Constituição engessa o país”, disse, em entrevista ao Valor. Mourão afirmou que governo não começará “na base de impactos e pacotes”, mas que todos os ministros deverão no dia 14 de janeiro, data marcada para acontecer a primeira reunião ministerial, apresentar metas e objetivos para “desregulamentar” e “desburocratizar” suas áreas.

O general defende que o texto da reforma da Previdência enviado pelo governo Michel Temer seja aproveitado e diz que os militares também estão dispostos a dar a sua contribuição com mudanças. O vice-presidente sugeriu ainda que Bolsonaro dê explicações da situação das contas públicas aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que, a aprovarem um aumento de 16,38% nos vencimentos, mostram” desconhecer a realidade”.

Mourão defende ainda que, com as reformas aprovadas, será possível conversar com os investidores sobre o alongamento do prazo dívida mobiliária interna. O vice-presidente eleito se negou a comentar a situação do ex-motorista de Flavio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, que se apresentou como comerciante de carros para justificar a movimentação milionária em sua conta corrente: “Isso é um assunto do Ministério Público do Rio de Janeiro”, resumiu. A seguir os principais trechos da entrevista:

https://www.valor.com.br/politica/6041053/governo-fara-desmanche-do-estado-diz-mourao

***

Eu sou FP federal, e a principio deveria ficar preocupado com a manchete, correto? Não, eu não fico. Na verdade fico até bastante esperançoso de que mudanças profundas aconteçam no Estado. Sabemos que a estrutura atual está condenada, corroida pelo sobrepeso que a CF de 1988 inventou de jogar sobre os ombros de toda a sociedade.

Os servidores públicos são sim parte da equação, com este sistema previdenciário insistentável que temos, e sem meios de controle de qualidade e eficiência dos serviços rpestados à sociedade. No entanto, há como se resolver parte do problema de forma rápida e eficaz. Nesta mesma entrevista Mourão fala em se reolver a questão dos funcionários comissionados, que são por baixo 120 mil pessoas penduradas na União, estados e municípios. Tenho absoluta certeza de que o numerário é maior.

Tirando os comissionados, apadrinhados políticos e pondo os Barnabés (not related) para trabalhar veremos de imediato greves, revoltas, crise, choro e ranger de dentes, para após mais uma etapa de depuração poder arrumar a estrutura federal e a dos demais entes de forma minimamente sustentável.

9+
  • 300esparta 29 de dezembro de 2018 at 08:02

    Bom dia!

    Podem rir!

    ehoieaoieaoiaehioaehoae

    1+

    • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 08:11

      Dia!

      1+

      • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 09:21

        Mourão quer te botar para trabalhar Barna! 🙂

        4+

  • Pedro 29 de dezembro de 2018 at 08:03

    SECOND!

    Tem muita gordura pra queimar no Estado bananeiro.

    Vamos ver quais grupos de pressão conseguirão manter mais privilégios.

    A carnificina está lançada.

    5+

  • Tekinhasp 29 de dezembro de 2018 at 08:09

    Bom dia!

    Estou esperançosa com esse nosso país no próximo ano. Acho que nunca senti tanta vontade de continuar aqui como agora. Que Deus possa abençoar essa nação.
    Bom final de semana pra vcs 😉

    8+

    • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 08:12

      Essa sensação parece ser comum, tem uma coisa positiva na população mais simples… o choro do pessoal do contra está terrível, claro, mas no geral há sim um sopro positivo, uma sensação boa, não de facilidade, mas de esperança mesmo.
      Bom dia! tá chegando a Nova Era 😉

      10+

  • Sideshow Bob 29 de dezembro de 2018 at 08:14

    Que acabem com o MEC, onde já se viu, empresa privada definir o valor do FIES!

    6+

  • Axio 29 de dezembro de 2018 at 08:29

    Vlw Viking e PP pelos livros grátis.

    4+

    • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 09:45

      Realmente, muito obrigado a ambos!

      2+

      • Pobre Paulista 29 de dezembro de 2018 at 12:51

        Imagina, é só uma retribuição, o que aprendo aqui com vcs não tem preço…

        3+

    • Viking 29 de dezembro de 2018 at 13:16

      opa, que bom que conseguiu aproveitar o link

      2+

    • Colmeia 29 de dezembro de 2018 at 16:42

      Boa Viking e PP ! Eu também aproveitei 😀

      0

    • Juliana 29 de dezembro de 2018 at 16:52

      Ondeee? No topico anterior?

      Cheers da BNN do norte. Veio q crise eh essa, che-i-o de bananenses em orlando.

      1+

      • Pobre Paulista 29 de dezembro de 2018 at 17:26

        Era até hj às 6 da manhã, livros da Suno de graça.

        Ow, quero ver foto com o Mickey, hein

        2+

  • Birolho 29 de dezembro de 2018 at 08:40

    Bom dia Muquiranas!

    Muito boa a entrevista do Mourão, nos dá esperanças de dias melhores.

    Barnabé parabéns pelo desprendimento em entender que os funças são parte do problema, é raro que aceitem isso, o corporativismo impera! Já discuti muito isso com meu irmão, que não é FP, sobre a gritaria que fazem para reajuste de salários e ”direitos”.

    Está chegando a hora do enfrentamento, que JB e equipe tenham culhões, coragem e vontade defazer a coisa acontecer!

    3+

    • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 14:35

      A guerra vai ser selvagem, vai ser literalmente irmao contra irmão, pai contra filho, vai ser o caos, mas ou é isso ou é a desgraça definitiva.

      3+

      • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 14:50

        O difícil é as pessoas entenderem ou aceitarem perder algo pelo bem do todo. Se em tarefas de colégio, faculdade e trabalho já é difícil para muita gente, imagina quando se fala de dinheiro.

        2+

      • Ladraoalmas 29 de dezembro de 2018 at 22:03

        Como FP, tb concordo que tenha de haver uma mudança nessa seara, mas temo pelo que esteja por vir. Tornar o FP um bode expiatório para todos os problemas do país – como muitos aqui na verdade pensam assim- não é o caminho. Se houver um enfrentamento ferrenho do governo, com o objetivo de lascar o servidor, eu mesmo nunca mais voto nesse pessoal e a esquerda saberá usar isso a seu favor. Os dois lados só terão a perder, caso isso ocorra.

        1+

  • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 09:50

    A grande cartada do governo será conseguir mudar o STF, ou ao menos ter grande influência, como no caso do endulto do marcoré.

    Depois, no consegresso. Não adianta conseguir aprovar medidas no congresso para o STF desfazer. Ainda mais quando estiverem desmontando as palhaçadas feitas nos últimos 16 anos, como empresas desnecessárias, trocentos mil cargos improdutivos e por aí vai.

    4+

  • windville 29 de dezembro de 2018 at 10:17

    Bom dia folks,

    Bastante trabalho a frente, mas percebo uma mentalidade diferente no ar. Não vai ser fácil, vide o Trump na matriz, mas temos potencial. De tudo que temos para mexer impostos, clt, estrutura do estado via CN88 e por aí vai. Eu quero ver se algumas coisas mudarão ao longo do tempo, e que eu considero as mais complicadas de mexer e alterar. Uma delas é subjetiva a famosa a cultura do jeitinho que literalmente ferra esse país. E as outras duas mais objetivas de se alterar a estrutura do STF/MP e o MEC.

    5+

    • Pobre Paulista 29 de dezembro de 2018 at 10:24

      Se taxarem os dividendos pegaremos em armas

      5+

    • Intendente 29 de dezembro de 2018 at 12:47

      A CN88 inviabiliza muita coisa no BR. Não há como sustentá-la.

      Acho que conforme for o mito for botando ordem na casa e conquistando apoio, o negócio começará a andar.

      Deus queira que ele pegue uma onda de vacas gordas igual ao mula no 1° mandato dele.

      3+

  • Pobre Paulista 29 de dezembro de 2018 at 10:24

    Vem aí o ancapistão, aguardem

    2+

    • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 14:35

      NOOOOOO

      0

      • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 14:51

        E o que sê-lo-ia?

        0

  • Julio 29 de dezembro de 2018 at 10:47

    A burocracia brasileira, leia-se todas as esferas dos três poderes, sempre tem dois objetivos: garantir direitos e aumentar estes direitos.

    Este movimento se intensificou após a CF-88, quase toda composta por direitos e alguns deveres muito relativos.

    Chegamos finalmente no ponto em que é impossível manter a estrutura, que como uma gravidez, cresce automaticamente dia após dia.

    Aumentar os impostos não dá, porque já chegamos no limiar do confisco. Reduzir as obrigações do Estado, também não. O país parou de fazer obras, salvo aquelas feitas para desviar recursos, como a transposição do São Francisco. Itaipu, Ponte Rio-Niteroi, Tucurui, rodovias? Esqueça. O que tinham foi privatizado ou concedido, como ocorre no caso dos pedágios.

    Logo, cobrando o máximo que pode e cortando tudo o que tinha para cortar, a grana do contribuinte acaba mesmo escoando para os ralos da corrupção e da ineficácia, pagando mordomias, altos salários de cargos que em sua maioria não precisavam existir, e os que precisam, muitas vezes nem recebem o merecido, como policiais e professores do ensino fundamental (as duas coisas que eu manteria com o Estado).

    Mas, temos um problema: o brasileiro acha realmente que a CF-88 é “cidadã”, que o FGTS é um direito que não sai de seu bolso, que a Petrobras é um patrimônio e que abrir o mercado é entregar o país “auzamericanu” (chinês pode). Juro que vi um imbecil escrever que a tecnologia de dessalinização israelense, proposta por Bolsonaro, é para Israell roubar a água salobra do Nordeste.

    Alguém disse que queremos voltar à natureza, mas ninguém quer ir a pé. O brasileiro quer um estado leve e impostos baixos, mas quer manter a estrutura estatal. Aí não vai dar.

    8+

  • Julio 29 de dezembro de 2018 at 11:00

    Direita, volver:

    1+

  • Ugo 29 de dezembro de 2018 at 11:43

    Bom dia!!

    5+

  • bolha buritis 29 de dezembro de 2018 at 11:44

    Pela foto, não é desmanche de estado, mas desmanche de PEJÔ.

    First

    Oi

    2+

    • Nilson 29 de dezembro de 2018 at 11:48

      ha ha
      Oi

      0

    • Intendente 29 de dezembro de 2018 at 12:42

      Oi

      0

    • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 14:36

      A foto tem texto de legenda, tá?

      0

    • Colmeia 29 de dezembro de 2018 at 16:47

      Oi !

      0

  • Hidden (aquele) 29 de dezembro de 2018 at 12:34

    Boa tarde mukis….tutto sussa?!?!

    Nada mais representativo que a foto d tópico… Bananistao é uma tremenda ferrada Roubauto!!!

    Segue o fluxo, feliz 2019 a todos!!!

    0

    • Hidden (aquele) 29 de dezembro de 2018 at 12:39

      Reforma previdência, privatizações, revisão e redução dos $360bi em isencoes e subsídios e enfrentamento da maledeta, falida e comunista CM88 e do povo dos direitchoxs e instituições podres e carcomidas!!!

      Se tocar essa agenda, nem precisa fazer bem feito… só de enfrentar já terá meu voto em 2022!!! Yeahhhh

      0

      • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 14:37

        A gente torce muito, véio…!

        1+

  • Julio 29 de dezembro de 2018 at 12:38
    • Hidden (aquele) 29 de dezembro de 2018 at 12:40

      Qual cadeia será a festa? Convidem Narizinho e Lindinho …. se forem ai bato palmas, e Ki si laskem na saída… hehehe

      1+

      • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 14:54

        Em todas! Tem uma facção inteira para comemorar

        0

    • Bruno L 29 de dezembro de 2018 at 14:22

      Do instagram: normal, o PCC não iria numa cerimônia da Rota.

      2+

      • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 14:37

        Mas que é tosco, é… kkk…

        1+

        • Julio 29 de dezembro de 2018 at 14:52

          E se houver um atentado, consumado ou não, os suspeitos serão aqueles que não aceitaram o convite.

          0

  • Intendente 29 de dezembro de 2018 at 12:44

    Boa tarde, mukis!

    O tempo tá bonito no hell e a praia tá perfeita!

    #pas

    0

  • bolha buritis 29 de dezembro de 2018 at 12:49

    Yellow Vest protests held in Paris for 7th week in row

    AO VIVO, provocando a polícia

    1+

    • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 14:55

      Sete semanas? Esses são persistentes!

      0

      • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 14:55

        E aposto que a grande maioria nem sabe o que quer com estes protestos.

        0

    • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 14:56

      Só fico com dó de quem mora perto, se bem que podem alugar banheiro e faturar, com preço de local turístico em final de ano!

      0

      • Hidden (aquele) 29 de dezembro de 2018 at 16:09

        Ki si laskem e fiquem lá pra sempre …

        Vai vendo ,,,

        0

  • MrCitan 29 de dezembro de 2018 at 13:04

    Boa tarde.
    De uma conversa que eu tive para vender minha casa, eu soube de uma nova modalidade de vendas de imóvel: Venda da Laje.
    O sujeito com a casa pronta, vende a laje para construção de novo imóvel, e novo “proprietário” vende a nova laje para recuperar os custos da construção, tudo num jogo ao estilo jenga, pronto pra cair a qualquer inclinação mais brusca.
    Que bom que não temos terremotos.

    0

    • Viking 29 de dezembro de 2018 at 13:18
      • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 14:38

        É o tal do “direito de laje”, falávamos disso no velho BIB… Direito de favela.

        0

        • MrCitan 29 de dezembro de 2018 at 14:58

          Tá explicado porque eu via um monte de escada caracol lá em Paraisópolis.

          0

          • Colmeia 29 de dezembro de 2018 at 16:40

            Eita ! E se não fizerem nada pra mudar isso, verdadeiras obras primas arquitetônicas como essa aqui vão aparecer cada vez mais :

            View post on imgur.com

            2+

            • bolha buritis 29 de dezembro de 2018 at 18:51

              Essa casa de passarinho tem uma cesta de basquete.

              0

    • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 14:59

      Whatafuck! Logo logo a casa cai, literalmente! O que tem de je(gue)nte que constrói sobrado onde não tem estrutura para suportar…

      Agora imagine… Quantos andares vai ter a bagaça? Pois todos tentarão achar o tolo maior.

      0

  • Final Countdown 29 de dezembro de 2018 at 13:23

    CVRzinhos do HELLLLLLL

    fui eu deixar o carro pra revisão e… reclamando das contas de janeiro, a Sra que me atendia fala: nem sei o que ´pior, ser empregado ou patrão!
    -é… mas vai mudar…
    -ANO que vem VAI MUDAR SIM! pra melhor!

    Eita… concessionária na BARRA, área nobre do bairro… a mulé nem economizou, hauhauahuahuahuahuahuah povão num tá disfarçando não

    peguei um Uber pra voltar. Era um barbudinho, todo tatuado… (ih… elenão, pensei)

    perguntei do movimento do Hell…

    -tem muita gente pro réveillon, tá dando pra tirar um ganho.
    -e dezembro?
    -FRACO. cara, ganhei mais ano passado. aliás, minha esposa tem um salão. foi pior que o ano passado
    -mas os shoppings tavam cheios…
    -tavam passeando. meus conhecidos que trabalham el lojas falaram que foi um merda
    -foram passear no ar condicionado?
    -foram
    -mas… cara, eu nem entrava no barrashopping… tava cheio
    -pessoal entra, passeia , come no macdonalds e vai embora. os amigos que falei trabalham lá

    no meio da conversa, entra o ano que vem…
    aí soltei de leve: é, dizem que o tal guru do bolsonaro…
    – O OLAVO? sei! sigo ele no youtube!

    cambada, acho que não te volta
    encontrar OLAVETE assumido na rua???? a direita tá muito mais disseminada do que a gente pensa…

    peguei Uber pra pegar o carro: MESMA COISA

    È, tem volta mais não!

    13+

    • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 14:40

      Semana passada em Coelho, Alcântara, Zimbabwe, eu vi o tempo todo gente comentando do “ano novo”… gente reclamando dos tiroteios da noite anterior, e com a esperança de que “as coisas vão mudar”… é uma sensação contínua, tem uma esperança rolando sim. Não sou otimista mas me deixa reconfortado ver que é um momento bom para o país, o atual.

      2+

  • Investidor 29 de dezembro de 2018 at 13:52

    Haverá choro e ranger de dentes.

    Boa tarde negadis.

    2+

    • Barnabezinho 29 de dezembro de 2018 at 14:45

      QUE SE FODAM.

      Boa tarde fio!

      0

      • Investidor 29 de dezembro de 2018 at 19:28

        Boa noite Barna.

        Que ardam.

        0

  • Ugo 29 de dezembro de 2018 at 14:10

    Villas Bôas, o general que salvou a democracia brasileira
    SALVAR
    Brasil 29.12.18 14:00
      

    Deve-se ao general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, a preservação da democracia brasileira.

    No segundo governo de Dilma Rousseff, os petistas queriam decretar o estado de defesa e jogar o Exército contra os manifestantes que exigiam o impeachment da petista. Villas Bôas recusou enfaticamente o golpe.

    Na véspera do julgamento de um habeas corpus de Lula no Supremo Tribunal Federal, poucos dias antes de o petista se tornar oficialmente presidiário, quando se tentava reverter a prisão de condenados em segunda instância para evitar que o chefe da Orcrim fosse para a cadeia, Villas Bôas mandou um recado pelo Twitter: “O Exército julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”.

    O recado foi para o STF e também para os granadeiros dispostos a entrar na aventura de uma intervenção militar.

    No Supremo, Celso de Mello chiou contra os “pretorianos”, mas o golpe jurídico em favor de Lula, para mantê-lo livre e torná-lo candidato à Presidência da República, não passou.

    Os granadeiros se acalmaram.

    Os petistas, é claro, se disseram horrorizados.

    Lindbergh Farias chamou o general de “chantagista”; Gleisi Hoffmann disse que a frase era o “veneno da democracia”.

    Villas Bôas respondeu, dizendo que as reais ameaças à democracia são a corrupção e a impunidade.

    O outro lado calou-se.

    Após as eleições, o general comentou sobre o tuíte que “a coisa poderia fugir ao nosso controle se eu não me expressasse”.

    Durante a greve dos caminhoneiros que parou o Brasil, o general voltou às redes sociais para dizer que o Exército, que havia sido convocado pelo presidente Michel Temer por meio do decreto de Garantia de Lei e Ordem, agiria, “como sempre”, com base na Constituição Federal.

    No período de pré-campanha, Villas Bôas encontrou-se com diversos presidenciáveis, entre eles Marina Silva (Rede), Manuela D’Ávila (PCdoB), Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT).

    Com Ciro Gomes não teve papo, já que o pedetista chegou a dizer que, em um eventual governo seu, “militar não fala em política” e o comandante do Exército “provavelmente pegaria uma cana”. Os militares reagiram ao “destemperado”.

    Sobre Lula, o general disse o óbvio: a candidatura de um presidiário à Presidência seria “uma afronta à Constituição”.

    Passadas as eleições, o general influenciou fortemente na escolha dos ministros militares. De Augusto Heleno a Fernando Azevedo e Silva, todos são, de alguma forma, ligados a ele.

    Repetindo: deve-se ao general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, a preservação da democracia brasileira.

    13+

  • bolha buritis 29 de dezembro de 2018 at 14:48

    Mercedes-Benz Classe C 2019 C 200 EQ Boost com Giu Brandão

    0

  • Julio 29 de dezembro de 2018 at 14:48

    A partir do dia 2 a polícia vai mudar o mudus operandi

    5+

    • bolha buritis 29 de dezembro de 2018 at 14:53

      AÇO !

      2+

    • Investidor 29 de dezembro de 2018 at 19:25

      Chorei de rir aqui.

      0

  • Julio 29 de dezembro de 2018 at 15:09

    Para ler quando você se sentir um idiota:

    Mulher viaja 60 horas para passar o Natal com Lula, é deixada pela caravana e pede doações para voltar para casa

    Caravanas de diversos estados chegaram a Curitiba com apoiadores para passar o Natal próximos ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na noite de sexta-feira (24), a Vigília Lula Livre, que fica nos arredores da sede da Polícia Federal, onde Lula é mantido preso desde 7 de abril, foi organizada uma ceia e um ato ecumênico que reuniu militantes, familiares e apoiadores do ex-presidente. Mas um acidente acabou complicando as coisas, uma militante vindo do Ceará acabou sendo deixada pela sua caravana e agora desesperada sem dinheiro pede ajuda para poder volta pra casa.

    Fã do PT de carteirinha, Nena vendeu sua única moto, deixou a família e pediu demissão do emprego para Viajar por 60 horas do Ceará até Curitiba para passar o Natal com Lula, mas se decepcionou porque foi deixada pelos companheiros da caravana, sem dinheiro para pagar passagem de volta, ainda, teve que vender a moto para arcar com as despesas da ida. “Se eu conseguir arrecadar dinheiro para voltar para casa vou ficar muito feliz e talvez eu faça uma nova tatuagem, com o nome de Lula, porque ainda tenho esperança nele”, disse Nena.

    “É perseguição, ele é um preso politico”, diz NENA “Lula não é imune à lei. Se for provado [que é culpado], tem que pagar. Seria uma decepção, ele é um líder. Mas até agora não tem nenhuma prova [contra o ex-presidente]. Acreditamos na palavra dele. É por isso que vim até aqui”, explicou a desempregada NENA, 48. Integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

    2+

    • MrCitan 29 de dezembro de 2018 at 15:24

      Essa aí nem na dor aprende que militante do PT é tudo descartável.
      Não tenho um pingo de dó.

      1+

    • Hidden (aquele) 29 de dezembro de 2018 at 16:12

      acreditamos na palavra Dele!!! Ahhh vai tomar na tarraqueta… eita

      0

      • Low Profile 29 de dezembro de 2018 at 16:34

        Cadê a seita-quadrilha para ajudar?

        1+

  • Julio 29 de dezembro de 2018 at 15:22

    O Brasil já vive outros tempos

    Voo do Mansup faz Brasil entrar em grupo seleto
    País lança primeiro míssil totalmente nacional antinavio de longa distância; só 10 nações no mundo tem esse conhecimento tecnológico

    Fazia sol e calor, um céu sem nuvens e mar calmo, muito calmo – “quase um lago”, diria depois um tripulante da corveta V34 Barroso. Nesse cenário a Marinha do Brasil lançou pela primeira vez o míssil nacional antinavio Mansup, de longo alcance. Foi há pouco menos de um mês, a 300 km do litoral sul do Rio de Janeiro.

    Disparado a partir da corveta, o míssil, que mede 5,7 metros e pesa 860 quilos, voou a 1000 km/hora bem próximo da superfície, acompanhando o movimento da água do mar. Caiu no ponto central das coordenadas programadas. Havia um alvo, o casco do G-27 Marajó, um navio-tanque de 13 mil toneladas, desativado há dois anos. Era só uma referência na operação. Não houve explosão. O Mansup do teste levava uma carga de sensores eletrônicos para fazer medições de telemetria. Em um ataque real, estaria recheado com até 180 quilos de explosivos de alto rendimento – o suficiente para afundar, por exemplo, uma fragata de 5 mil toneladas.

    O Mansup é o primeiro modelo de uma família. A sequência prevê o Mansub, lançado por submarinos submersos a partir do mesmo tubo dos torpedos, e o Manaer, para aviões de combate e helicópteros pesados. O arranjo mais ambicioso, diz um especialista do Centro de Tecnologia da Marinha, é o Mansub. O míssil é acomodado dentro de uma cápsula, ejetada por uma carga de ar comprimido. Quando chega a superfície, um sensor digital reconhece essa condição e faz a ignição do motor. Os quatro novos submarinos diesel-elétricos brasileiros da classe do S-40 Riachuelo – recebido pela Força há duas semanas – e a também a variante nuclear, vão incorporar o sistema.

    3+

    • Hidden (aquele) 29 de dezembro de 2018 at 16:16

      Torço pra lançarem logo o manjarra…. aquele que explode o cabidao, destrava Bananistao e arromba muLLadrao & sócios,,,!,,

      0

  • Pobre Paulista 29 de dezembro de 2018 at 15:22

    Alguém vai pra posse do Bonoro?

    0

    • Julio 29 de dezembro de 2018 at 15:23

      A Gleisi, o Lindinho e o Requião não vão.

      O Haddad e a Manu vão à missa neste horário.

      Já Lula continua preso noutro compromisso.

      4+

      • bolha buritis 29 de dezembro de 2018 at 15:42

        Frase do dia

        0

  • Longa Manus 29 de dezembro de 2018 at 16:46

    Boa tarde Muquis!

    Adiro ao pensamento do Barna. Também sou servidor público federal, e com orgulho! Só Deus e minha Família sabem como foi difícil estudar para um concurso difícil. Há dor e ranger de dentes, mas no final vem a doce brisa da vitória!
    Muitos desdenham e xingam os servidores públicos, não conseguem separar os que trabalham de verdade, os que fazem concursos, os que entram pela janela. Muitos não têm coragem e culhão para ficar no quarto estudando (de madrugada e trabalhando durante o dia!), por anos para atingir determinada meta! São esses os mais renhidos críticos. É preciso saber distinguir gente…servidor público trabalha sim, e também merece reajustes sim… se o governo não ficasse 5, 6 anos sem REVER A PERDA INFLACIONÁRIA dos salários dos servidores, muitos desgastes seriam evitados…
    Tenho convicção de que TODOS têm que dar sua parcela de sacrifício para tirar o Brasil do lamaçal.
    Como servidor público, reconheço a questão da previdência, tem que rever! Tem que acabar com cargos comissionados!
    Agora, o servidor quando aposenta continua contribuindo para o Sistema! Defendo que TODOS CONTRIBUAM PARA A PREVIDÊNCIA APÓS A APOSENTADORIA: os militares, os aposentados do INSS, quem recebe LOAS e o Rural não contribuem!! Por que isso? Todos tem que contribuir e ponto!

    Cadeia para os corruptos, morte aos bandidos, e vida longa para todos os homens e mulheres de Bem!!

    Feliz 2019!!

    7+

  • Ugo 29 de dezembro de 2018 at 18:18

    REVOADA

    Antes de chegar ao nó deste post, trazendo o que de fato aconteceu na última reunião de emergência do Alto Comando das Forças Armadas diante da molecagem perpetrada no último dia do Ano Judiciário de 2018, de parte do ministro Marco Aurélio Mello, necessário fazer certo retrospecto, a se ter noção do quanto o STF, e seus integrantes, tem sido nefasto para os interesses do país.

    É tamanho o ativismo político revestido de judicialidade de parte do STF, que fácil é esquecer fatos marcantes que tem o condão de por água na fervura na economia brasileira, tal como ocorreu no passado recente e remoto, com capacidade de comprometer o futuro, caso nada seja feito a respeito.

    Refiro-me à liminar concedida aos 29 de junho de 2018, de parte do ministro Lewandowski, na qual condicionou à aprovação do Congresso Nacional qualquer privatização de empresas estatais, o que, de fato, criaria tantos óbices, tantos debates, tantos vais e vens, tantos lobbys (e com estes, esquemas de propinagem), que qualquer investidor desistiria do negócio antes mesmo começasse.

    À época, logo, a grande mídia especulou se tratar de medida que visava impedir a privatização da Eletrobrás, contudo, se soube a seguir, que o alvo de Lewandowski era impossibilitar o acordo entre a Embraer e a Boeing.

    A longa trajetória da antes estatal Embraer se inicia em 1965, pilotada pelo então major-engenheiro da FAB Osíris Silva, voando num bimotor Bandeirante, que decolou em 1968.

    Contudo, o desenvolvimento do projeto do primeiro avião nacional à jato só foi possível pela joint-venture entre a Embraer e uma empresa italiana, desenvolvendo-se o EMB-326 Xavante, fabricado sob licença da companhia Aermacchi (lê-se Aermaqui), usado no treinamento de pilotos militares, e também o EMB-21 Xingu, primeiro turboélice pressurizado fabricado pela Embraer para uso executivo, avançando-se para a produção do AMX, caça supersônico da Aeronáutica Militar produzido também em parceria com a Aermacchi, entre 1985 e 1999.

    Após a crise financeira dos anos 1980, a chamada “década perdida”, a Embraer quase decretou falência, e a solução foi privatizá-la em dezembro de 1994, ao final do governo do presidente Itamar Franco por R$ 154 milhões, que atualizados para valores de hoje, equivaleriam a R$ 817 milhões, garantindo-se o governo a chamada “golden share”, uma ação preferencial que dá direito a veto para decisões estratégicas, como agora, quanto à transferência de controle acionário à Boeing.

    Com o se vê, de logo, o veto, diante do acordo entre Embraer e Boeing, caberia ao Poder Executivo, e nada, absolutamente nada, tem a ver com o Poder Legislativo federal, introduzido depois do acordo como trava espúria, por Lewandowski, ao arrepio da segurança jurídica dos contratos, arremessada, em verdadeiro atentado judicial, ao lixo histórico das decisões estapafúrdias proferidas com cada vez mais frequência por um tribunal que se tornou não só uma vergonha para o povo mas, antes tudo, imprestável para os fins a que se destina.

    Com a recuperação financeira da Embraer, surgiram projetos como o do jato comercial ERJ-145, para 50 passageiros, e outros modelos da mesma família, além do programa de E-jets de aviões comerciais, focado no segmento de jatos de 70 a 120 assentos.

    Como se vê, de 2000 para cá, a Embraer deu passos tão gigantescos, tal como fez no passado, tornando-se uma das mais importantes empresas líderes de mercado na aviação civil e militar do mundo inteiro.

    A este ponto, fácil perceber que Lula, durante o seu governo, não teria nenhuma dificuldade em investir na Embraer e dela adquirir jatos militares de última geração para a FAB e Marinha, alavancando os negócios internos da Embraer, ao invés de se envolver, primeiro, num amplo esquema de propinagem com o governo francês de Sarkozy para a compra de caças Mirage, e depois, já no governo Dilma, com o governo sueco, no sentido denunciado por Palloci, ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil dos governos Lula e Dilma, quando de seu depoimento à força-tarefa Greenfield, afirmando que Lula pediu diretamente propina para se afastar da França e preferir a Suécia na compra dos caças Gripen.

    É grave o fato exposto acima, mas não de se espantar, dados os precedentes de Lula, que é tão sem escrúpulos que trai até mesmo quem o subornou antes, porque receberá proposta melhor, em verdadeiro leilão da propina, espécie de “quem dá mais?”, para justificar e promover o “passa moleque” no “acordo” tido e traído com Sarkosy.

    O que escrevo agora tem a fonte segura de um engenheiro brasileiro há 25 anos nos EUA, próximo a mim, que trabalhou para uma empresa aeronáutica militar canadense e hoje faz o mesmo numa empresa aeronáutica militar vinculada ao Pentágono, desenvolvendo novas aeronaves militares para o governo daquele país, que foi testemunha ocular do quanto ora narro.

    A Boeing durante os anos 2000 ampliou sobremaneira suas atividades, a ponto de adquirir uma enorme área de 415 hectares, plana e à beira-mar, construindo lá a nova fábrica, em Everett, próximo à Seattle, no estado de Washington, capaz de abrigar cerca de 41 mil pessoas trabalhando em três turnos numa minicidade completamente autossuficiente, servida por um porto da própria Boeing.

    A megaestrutura chegou num ponto que faltaram engenheiros e a Boeing iniciou contatos agressivos do ponto de vista da sedução, via salários e benesses, com engenheiros da Bombardier e outras empresas, sem muito êxito, porque o mercado aquecido fazia com que as empresas assediadas dessem contrapartidas irrecusáveis aos engenheiros para que permanecessem nas suas empresas.

    A certo ponto, numa reunião de cúpula, se perguntou onde achar no mundo excelentes engenheiros aeronáuticos para contratar sem muitas resistências da empresa na qual estivessem trabalhando, ouvindo-se ao fundo a resposta fatídica, em alto e bom som: – No Brasil! Na Embraer!

    Destacou-se então uma força tarefa e os gringos desembarcaram em São José dos Campos, passando a contatar privadamente cada um dos engenheiros da Embraer, para “uma conversa”, o que se deu em um sítio alugado nas imediações de São José dos Campos, tudo em meio a um churrasco.

    De repente, entre a picanha e a maminha, no sítio baixou a Polícia Federal, levando todos para a Delegacia da PF, visto que receberam denúncia que os engenheiros brasileiros da Embraer, reunidos com engenheiros norte-americanos da Boeing, poderiam passar “segredos”, violando assim a cláusula de confidencialidade firmada com a Embraer quando de suas contratações.

    Liberados todos após declarações, os gringos se foram para os EUA com a péssima notícia do ocorrido e logo a seguir, a Boeing não esmoreceu, fechando um hotel em Montevidéu, convidando todos os engenheiros brasileiros a passarem um fim de semana na capital uruguaia, e foi lá que, entre “barbecue and beer”, as contratações dos engenheiros da Embraer se deram, em bloco, pela Boeing, esvaziando a Embraer de seu patrimônio mais valioso.

    Como diria meu amigo engenheiro: – Money talks!

    Foi deste contexto que surgiu o acordo de assimilação da Embraer pela Boeing, não porque a Embraer tivesse perdido mercado, ou viesse a ser engolida pelas concorrentes, mas sim porque perdeu capacidade operacional pela perda de seu corpo principal de engenheiros, o que é dificílimo se repor num mercado tão disputado, e assim, juntou-se o útil ao agradável, promovendo-se a fusão, por óbvio.

    Assim, ou a Embraer se fundia, ou se degradava, e neste texto, contexto e clima, Ricardo Lewandowski, absolutamente por fora dos bastidores e das reais motivações empresariais da Embraer, meteu a colher do Judiciário num negócio de vida ou morte para a Embraer, enfraquecendo ainda mais a posição negocial da já vendida empresa brasileira, com a edição da estapafúrdia liminar, de sua “magistral” autoria.

    Fato é que o amplamente desmoralizado STF poderia dar de presente de Papai Noel, ao povo e ao país, o fechamento de suas inúteis portas, antes que seja instado, pela força, a assim fazer, dada a sua imprestabilidade.

    Não bastasse Gilmar Mendes pautar-se pelo réu, não pelo processo, para o manter preso, se irrelevante, ou o soltar, se for seu amigo ou de alguma forma, parceiro, fato este denunciado publicamente pelo ministro Barroso diante da soltura seletiva de Dantas e Barata, a lambança protagonizada pelo ministro Marco Aurélio Mello, o primo de Collor, na tentativa de libertar Lula, mesmo que para isso tivesse de soltar 169 mil condenados em segunda instância, provocou mais uma reunião de emergência do Alto Comando das Forças Armadas, fato esse minimizado, de novo, pela grande mídia.

    Apesar de escassos pronunciamentos de interlocutores militares à mídia, no sentido que o Alto Comando se reuniu para “tratar estratégias futuras sobre o que fazer em caso de tumulto popular, para manter a lei e a ordem”, o assunto foi bem outro.

    Facilmente se esquece também, mas o fato que motivou a reunião da cúpula militar brasileira se coligava ao um pregresso pronunciamento do comandante das Forças Armadas, general Eduardo Villas Bôas, muito alquebrado pelo avançar de sua doença.

    Villas Boas disse claramente à Folha de S.Paulo, que não haveria outra alternativa senão intervir caso o Supremo Tribunal Federal concedesse Habeas Corpus ao ex-presidente Lula, em abril deste ano.

    Este pronunciamento foi colocado a cobro na reunião por oficiais linha dura, de alta patente, tendo um deles lido em voz alta o pronunciamento de então do Gen. Villas Boas: “Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do país e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais? Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais.”

    Esse pronunciamento do comandante, evidente não ser voltado somente para uso externo, e sim injetado para dentro das veias das Forças Armadas, cada vez mais irritadas, intranquilas, até porque sente na carne quem é inimigo declarado do país, sobretudo os assentados no STF, por um lado, e por outro, preocupa-se com a posse de Jair Bolsonaro, num primeiro momento, e mantê-lo vivo na presidência, na sequência, tal o número de ameaças concretas à vida do eleito detectadas pelo SI do Exército, pela Polícia Federal e pela Abin.

    O ministro Celso de Mello, à ocasião do julgamento do HC de abril de 2018 destinado a soltar Lula, votando a favor da concessão da ordem de soltura, sem pensar nas consequências para o país, disse em resposta a Villas Boas que: “As intervenções pretorianas no domínio político-institucional têm representado momentos de grave inflexão no processo de desenvolvimento e de consolidação das liberdades fundamentais. Intervenções castrenses, quando efetivadas e tornadas vitoriosas, tendem, na lógica do regime supressor das liberdades que se lhes segue, a diminuir (quando não a eliminar) o espaço institucional reservado ao dissenso, limitando, desse modo, com danos irreversíveis ao sistema democrático, a possibilidade de livre expansão da atividade política e do exercício pleno da cidadania.”

    O que esqueceu, mais uma vez, o decano Celso de Mello, é que este “dissenso”, tais como os “dissidentes” colegas Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski, jogariam o país no caos no mesmo momento que exarada a ordem de soltura de Lula, sendo que quem lhes rasgaria a toga seria a turba tomada pela ira, que cercaria o STF, tal como foi anteontem, colocando-os para fora a tapas nas orelhas, e não o Exército, que assistiria de camarote a cena, poupando-se do desagradável trabalho…

    Na recente reunião emergencial do Alto Comando não faltou quem colocasse sobre a mesa o fato do Serviço de Inteligência das Forças Armadas (SIFFAA) ter em mãos relatórios mais que comprometedores da “atuação motivada” de parte de ministros do STF, disto plenamente ciente o presidente da Corte, Toffoli, enquanto abrigou como “assessor especial” da sua presidência o Gen. Azevedo e Silva, hoje ministro da Defesa.

    A reunião ficou no aguardo da ação que tomaria a procuradora-chefe da PGR, Raquel Dodge, se manifestando a respeito do despacho da juíza federal Carolina Lebbos, da 12ª Vara Criminal Federal de Curitiba, que instou a PGR a opinar diante do pedido de expedição de alvará de soltura de Lula, apresentado 48 minutos após as decisão solitária e liminar de Mello, indicando assim que a defesa sabia de antemão o teor da inteira liminar, sinalizando conluio entre a defesa e o juiz, o que fez com que Dodge corresse para passar com um só toque a bola quente para Toffoli, visando a revogação da decisão monstruosa.

    Tratou o Gen. Azevedo e Silva de conversar com Toffoli, e sem rodeios, lhe disse que oficiais graduados e na ativa, amparados por oficiais da reserva, estavam cobrando do comandante Villas Boas a cumprir palavra dada em caso de libertação de Lula, permitindo a intervenção, que se daria nas próximas horas, pena de desmoralização das Forças Armadas, que sairia sim dos quartéis e “tomaria todas as providências para manter a ordem, apesar das consequências para quem, mesmo advertido, vem atentando contra a Constituição, as leis do país e à ordem democrática.”

    Toffoli, percebendo a iminência da implantação do estado de sítio, sitiando antes tudo, Brasília, com amplíssimo apoio popular, antecipando o réveillon e a queima dos fogos de artifício, fechassem as FFAA o STF e o Congresso Nacional atual, demorou poucos minutos para revogar a liminar de Marco Aurélio Mello, sem precisar ler todas as 72 páginas do pedido da PGR, neste sentido.

    Novamente os quartéis ficaram em estado de alerta, mais uma vez se esteve na iminência de uma intervenção militar há dias da posse do novo presidente da República, que subirá a rampa com um colete à prova de projéteis de fuzil, mais uma vez o país foi neurotizado por horas, à causa dos patetas empolados de togas infectas, que incomodam muito com suas abjetas e repulsivas presenças o Brasil, que definitivamente, não os quer mais ver e nem ouvir.

    Paulo Emendabili Souza Barros de Carvalhosa – 21/12/2018

    REVOADAAntes de chegar ao nó deste post, trazendo o que de fato aconteceu na última reunião de emergência do Alto…

    Publiée par Paulo Emendabili Souza Barros De Carvalhosa sur Vendredi 21 décembre 2018

    7+

    • Pobre Paulista 29 de dezembro de 2018 at 18:45

      Muito grande, vou esperar sair o filme

      4+

  • Bruno L 29 de dezembro de 2018 at 19:40

    This is what we say "Bolsonaro root"! 👉👉 https://t.co/Zb4umnJOM6— Eduardo Bolsonaro (@BolsonaroSP) December 29, 2018

    0

    • Bruno L 29 de dezembro de 2018 at 19:40

      Muitas das melhores frases do Mito traduzidas para o inglês.

      0

  • Pedro 29 de dezembro de 2018 at 20:03

    Tive que sair do grupo do Whats antes que a patroa me atordoasse de novo…
    Esses dias já tive stress. Pra evitar outro me antecipei.
    😉

    1+

    • bolha buritis 29 de dezembro de 2018 at 20:05

      Aqui é mais tranquilo.

      1+

      • Birolho 29 de dezembro de 2018 at 21:49

        La é pra galera abaixo de 10 k, OS SOBREVIVENTES!

        Arda Pedroca!

        0

  • Pedro 29 de dezembro de 2018 at 20:18

    É divertido lá. Mas sei que ia me incomodar com a patroa.

    Não participo de muitos grupos: só da escola do meu filho (pra acompanhar ele) e do trabalho (por “quase” obrigação do chefe).

    0

    • Intendente 29 de dezembro de 2018 at 20:55

      Incomoda nada, é só saber que não sabia de nada, kkkkkkkk

      0

      • Pedro 29 de dezembro de 2018 at 21:24

        Não é a primeira vez que saio de grupo do Whats pra não me incomodar.

        Mas essa vez foi a mais rápida! Hahahaha.

        O grupo do Muquiranas é bem movimentado! 🙂

        0

  • RecrutaZero 29 de dezembro de 2018 at 21:25

    Alguem aqui indo assistir o show do Blackberry Smoke em SP em 2019?

    To afinzão de ver o show dos caras

    0

  • Ugo 29 de dezembro de 2018 at 22:13

    Judeu nazista

    0

  • Barnabezinho 30 de dezembro de 2018 at 07:38

    Bom dia!

    0

  • Barnabezinho 30 de dezembro de 2018 at 08:04

    Topico novo WITH MANTRA!

    0

Marcação de Comentários

Selecione a partir de qual dia e hora os comentários devem ser marcados como não lidos. Deixe a hora em branco para marcar todos os comentários do dia. Pressione CTRL + ↓ para navegar pelos comentários não lidos.

Plugin desenvolvido por Alex Silva.